O desmatamento da Amazônia e o mau uso das potencialidades da floresta

Texto 1:

Mas, afinal, qual a função das florestas e por que elas são tão importantes?

Além de estocar carbono, as florestas regulam o clima. No caso da Amazônia, esta leva a umidade gerada na floresta para outras regiões. Água que serve para irrigar plantações e encher reservatórios de água.

As florestas são a casa de grande parte da biodiversidade do planeta, muitas vezes ainda desconhecida para a ciência. Na Amazônia, por exemplo, nos últimos anos foram documentadas cerca de 600 novas espécies, mesmo como baixo investimento do Brasil em ciência e pesquisa. Mas o avanço do desmatamento coloca em risco milhares – ou centenas de milhares – de espécies que sequer conhecemos.

Manter as florestas conservadas pode evitar a proliferação de doenças: um estudo mostrou que ao passo que a floresta é derrubada, também aumenta a incidência de malária. No caso de doenças zoonóticas – aquelas que são transmitidas de animais para humanos – , se um ecossistema está conservado e em equilíbrio, a diversidade de espécies evita que vírus, germes, bactérias e outros agentes patogênicos possam se proliferar. Entretanto, a perturbação dos ecossistemas naturais – como por exemplo o desmatamento – aumenta as chances desses patógenos passarem de animais selvagens para humanos. Um estudo argumenta que cerca de 30% do aparecimento de doenças como Zika, Ebola e Nipah estão conectadas com a mudança do uso do solo.

A floresta é uma grande biblioteca de medicamentos naturais! Com a manutenção da floresta em pé e o investimento em pesquisas podemos encontrar princípios ativos para medicamentos e até a cura para doenças, tudo a partir do conhecimento da sua biodiversidade.

Além disso, a floresta em pé oferece oportunidades de envolvimento de comunidades locais, que podem desenvolver atividades econômicas de baixo impacto ao passo que conservam as florestas.

Disponível em: https://www.greenpeace.org/brasil/blog/o-dia-e-das-florestas-mas-o-presente-e-sempre-nosso/


Texto 2:

O desmatamento na Amazônia chegou a 196 km² em janeiro de 2021, aponta o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), a partir de dados do Sistema de Alerta do Desmatamento (SAD) – que monitora via satélite as áreas desmatadas na região. O índice revela o terceiro maior valor da série histórica nos últimos 10 anos, mesmo com redução de 1% em relação a janeiro do ano passado, quando o SAD registrou desmatamento de 198 km².

Considerando o calendário de desmatamento 2021 vigente, que compreende os meses entre agosto de 2020 a janeiro de 2021, houve um aumento de 46% em relação ao mesmo período do calendário anterior.

Disponível em: https://imazon.org.br/wp-content/uploads/2021/02/Boletim-SAD-janeiro-2021-scaled.jpg



Texto 3:




328 visualizações0 comentário