As consequências da desigualdade social em debate no Brasil.

Com base na leitura dos seguintes textos motivadores e nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma culta escrita da língua portuguesa sobre o tema As consequências da desigualdade social em debate no Brasil, apresentando experiência ou proposta de ação social, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.


TEXTO 1

Um levantamento do Ibre (Instituto Brasileiro de Economia) da Fundação Getúlio Vargas apontou que a desigualdade de renda dos trabalhadores brasileiros é a maior desde 2012.

Os números são relativos ao primeiro trimestre de 2019 e foram calculados pelo Ibre com base em dados da Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), realizada pelo IBGE desde 2012. Isso significa portanto que a desigualdade é a maior da série histórica.

OS DADOS

Os números foram colhidos das perguntas sobre rendimento do trabalho na Pnad Contínua. É com base na declaração dos entrevistados de cerca de 211 mil domicílios em todo o país que a Pnad lista os rendimentos médios.

QUINTIS E DECIS

Listados os rendimentos declarados, eles são ordenados do maior para o menor e divididos em partes iguais. Quando a amostra é dividida em cinco, cada parte dessas é um quintil. Quando se divide em 10, o nome é decil. O primeiro decil representa os 10% mais pobres e o último os que têm maior renda. Em quintis, a divisão vai de 20% em 20%.

O ÍNDICE DE GINI

A aferição da desigualdade de renda, nesse caso, é feita pelo índice de Gini. O índice é um coeficiente matemático criado para medir concentração, não só de renda, e varia de 0 a 1, que são as situações matematicamente extremas. O número 0 corresponde à igualdade total e o número 1 corresponde à desigualdade completa, com apenas uma pessoa recebendo toda a renda e as demais não recebendo nada.

Os resultados do levantamento

Os números apresentados pelo pesquisador Daniel Duque mostram uma clara tendência de aumento de desigualdade nos últimos anos. O resultado do primeiro trimestre de 2017 é o maior desde 2012 quando se considera a renda familiar vinda do trabalho e também quando se considera a renda individual dos trabalhadores.

O gráfico abaixo apresenta a média móvel. Nela, se leva em conta o resultado do trimestre e dos três anteriores. Por considerar sempre quatro trimestres consecutivos (havendo sempre resultados de todas as épocas do ano), a média móvel atenua os efeitos sazonais comuns no mercado de trabalho. Historicamente os números da PNAD mostram aumento no desemprego, que afeta a renda, no início do ano e uma tendência à redução nos trimestres seguintes.

Link para matéria: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/05/22/O-aumento-da-desigualdade-no-Brasil-segundo-este-estudo


TEXTO II





222 visualizações0 comentário