A problemática dos golpes financeiros no Brasil do século XXI

Com base na leitura dos seguintes textos motivadores e nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma culta escrita da língua portuguesa sobre o tema "A problemática dos golpes financeiros no Brasil do século XXI", apresentando experiência ou proposta de ação social, que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.


Texto 1:

Golpes financeiros aumentaram 300% em todo o mundo

Brasil tem participação de 53,9% no vazamento de dados de cartões


Um amigo te pedindo pagamento de boleto por Whatsapp, um falso funcionário de banco pedindo seus dados bancários por telefone. Quem já não recebeu essas tentativas de golpes? O número de golpes financeiros aumentou muito nesse período da pandemia, e o método dos golpistas tem se sofisticado cada vez mais.

De acordo com relatório do FBI, o número de tentativas de golpe cresceu 300% no mundo, e o Brasil tem grande participação nesta triste estatística, pois 53,9% dos vazamentos de dados de cartões de crédito e débito tem o nosso país como origem.

Ainda de acordo com a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), o número de golpes para pegar dados bancários, conhecido como phishing, cresceu 80% nesse período e houve ainda o aumento de 60% nas tentativas de golpes contra idosos.

Adriano Volpini, diretor de Prevenção de Fraudes da Febraban, explica que mais de 70% dos golpes usam o que ele chamou de engenharia social, quando os golpistas conseguem obter dados da pessoa utilizando da confiança, e tentam afetar a pessoa em suas emoções tirando-a para fora de sua rotina. Volpini falou como isso se opera no chamado golpe do motoboy.

Outra forma frequente de roubo de dados está na internet, seja através de links enviados por e-mails, SMS ou mensagens de voz. Mas os golpistas tem se sofisticado ainda mais nesse ponto criando contas, perfis ou páginas falsas de sites de compra e eles chegam a pagar para que essas páginas ou perfis fiquem em primeiro lugar nos sites de busca como o Google.

Nesse sentido, Volpini alerta que o consumidor tende a ficar mais desatento em datas comemorativas como a Black Friday.

Por isso, a orientação é para que as pessoas nunca acessem links suspeitos, verifiquem se os perfis de bancos ou lojas tem o selo de verificação das redes sociais e atualizem sempre os aplicativos.

Também é necessário ficar atento a ligações suspeitas, pois os bancos nunca solicitam dados pessoais como senhas. E, o mais importante, é tentar sempre se manter de cabeça fria para não cair nas tentativas de golpes.


Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/radioagencia-nacional/economia/audio/2020-09/golpes-financeiros-aumentaram-300-em-todo-o-mundo


Texto 2:

Pirâmide financeira poderá ser considerada crime no Código Penal


A realização de fraudes com sistema de pirâmide financeira poderá ser incluída como crime no Código Penal. É o que prevê o Projeto de Lei 4.233/2019, em análise na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Pirâmides financeiras são um tipo de crime de estelionato baseado em um esquema que depende do recrutamento progressivo de outras pessoas para o negócio, até atingir um nível insustentável em que a entrada de novos recursos não consegue mais alimentar a pirâmide. Assim, muitas pessoas são enganadas com a promessa de altos rendimentos conquistados de modo fácil.

”É muito comum vermos esse tipo de esquema que muitas vezes está camuflado na forma de um investimento lucrativo, atraindo pessoas a adquirirem um produto fictício ou sem valor real de mercado com a promessa de lucro fácil”, aponta o senador Flávio Arns (Rede-PR), autor do projeto.

O objetivo do texto é assegurar penas mais severas para quem realizar a prática, que hoje prevê detenção de 6 meses a 2 anos e multa, conforme a Lei 1.521, de 1951, ou é enquadrada como um tipo geral de estelionato. O PL propõe incluí-la no Código Penal como tipo autônomo e com descrição mais precisa e efetiva, com penas que poderão variar de 2 a 12 anos de prisão e multa.

“O crime de pirâmide financeira apresenta sérios riscos à coletividade e graves perturbações à ordem econômica. O caso emblemático é o de Bernard Madoff, nova-iorquino que criou a maior pirâmide financeira da história enganando centenas de investidores, inclusive grandes bancos”, explica o senador na justificativa do projeto.

O PL tem como relator o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG).


Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2019/08/12/piramide-financeira-podera-ser-considerada-crime-no-codigo-penal



Texto 3:


Nos últimos 12 meses, 12,1 milhões de brasileiros relatam terem sofrido algum tipo de golpe financeiro pela internet, aponta pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). O número equivalente a 46% dos internautas.

Entre as vítimas, mais da metade afirma ter perdido dinheiro com as fraudes, em média R$ 478 de prejuízo por pessoa. A estimativa é que os golpes somaram R$ 1,8 bilhão em 12 meses. Três em cada 10 vítimas ficaram com o nome negativado (30%) por conta da fraude sofrida. Um em cada 9 pessoas não conseguiram recuperar nenhuma parte da quantia perdida, mas 53% afirma ter esperança de reaver o dinheiro ou parte dele. A maioria das queixas (52%) se refere ao não recebimento de produtos comprados online. Em seguida, vem a compra de produto ou serviço diferente do prometido pelo vendedor (42%) e em terceiro (25%) clonagem de cartão de crédito.


Disponível em: https://valorinveste.globo.com/objetivo/gastar-bem/noticia/2019/08/15/12-milhoes-de-brasileiros-sao-vitimas-de-golpes-na-internet-veja-os-mais-comuns.ghtml


Texto 4:

Febraban lança campanha de orientação sobre golpes financeiros contra idosos

Com o apoio da Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa e do Banco Central, iniciativa visa combater tentativas de golpes contra idosos, que cresceram 60% desde o início da pandemia

Com o uso mais intenso dos meios digitais para atividades cotidianas durante a pandemia do coronavírus, criminosos aproveitam o maior tempo online das pessoas para tentar aplicar golpes. Um levantamento da FEBRABAN (Federação Brasileira de Bancos) revela que no período de quarentena houve um aumento de 60% em tentativas de golpes financeiros contra idosos.

Para combater as fraudes financeiras, a FEBRABAN está lançando uma campanha para informar e conscientizar sobre as tentativas de golpes financeiros, com o apoio da Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa, vinculada ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, e Banco Central. A iniciativa contará com medidas para proteção e enfrentamento à violação de direitos das pessoas idosas.


Disponível em: https://www.contabilidadenatv.com.br/2020/09/febraban-lanca-campanha-de-orientacao-sobre-golpes-financeiros-contra-idosos/



1.810 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo